Aeronaves

Histórico

Em meados da década de 1970, a Embraer já havia conquistado reconhecimento mundial e começava a cogitar a possibilidade de fazer parcerias com empresas estrangeiras a fim de projetar aeronaves mais sofisticadas. Os primeiros estudos para a fabricação de um avião subsônico começaram ainda em 1976, em parceria com a empresa italiana Macchi que, na época, já tinha um projeto avançado de jato. Já no ano seguinte foi lançado o projeto designado MB 340.

Posteriormente, com o objetivo de atender às necessidades da Força Aérea Italiana, foi feita uma associação entre as empresas Aeritália (hoje Alenia) e Macchi (hoje Aermacchi) e criado em 1978 o programa do caça subsônico AMX (A de Aeritália, M de Macchi e X de experimental). A empresa brasileira responderia por 1/3 do programa e dos custos, sendo responsável pelas seções das asas, empenagem e testes de fadiga da estrutura. A Aermacchi responderia pelos outros 2/3 e produziria a fuselagem, os sistemas de bordo, e faria os testes estáticos e com armamentos.

Após um período de suspensão dos trabalhos, em 1980, autoridades aeronáuticas brasileiras anunciaram na feira de Farnborough daquele ano a sua decisão de participar do programa italiano. Tal decisão foi oficializada quase um ano depois, e em 27 de março de 1981, foi assinado um acordo entre os dois países.

Após algumas mudanças contratuais, as companhias italianas ficaram responsáveis por cerca de 70% do programa e a Embraer pelos 30% restantes. Coube à Embraer o desenvolvimento e a fabricação das asas, tomadas de ar do motor, estabilizadores horizontais, pilones subalares ("cabides de armas") e tanques de combustível. Além disso, a Embraer participou ativamente de todo o projeto dos sistemas de trem de pouso, navegação e ataque, comandos de voo e controle de armamentos. Dois protótipos de ensaio em voo e um de testes de fadiga foram construídos e testados no Brasil.

O AMX foi concebido como avião monomotor, monoposto, especializado para missões de ataque, privilegiando robustez e confiabilidade para missões de alta exposição, com longo alcance (compatível com as dimensões continentais de nosso país, incluindo capacidade de reabastecimento em voo) e a incorporação de tecnologias avançadas de sistemas de computação, navegação e ataque e contramedidas eletrônicas. Contou, entre outras inovações da época, com um sistema de comandos de voo com augmentation system e operação HOTAS (Hands On Throttle And Stick) para navegação e ataque. Uma variante biposto foi desenvolvida em seguida visando tarefas de conversão operacional de pilotos para este tipo de aeronave (OCU).

Sendo um avião de caça e ataque, apresentava menor custo que seus concorrentes, além de ser eficiente e dotado de tecnologia avançada. Tinha capacidade para apenas um piloto, com assento ejetável. O jato subsônico foi equipado com turbinas Rolls-Royce, e, além de ser capaz de atingir 750 km/h, era um “avião invisível”, ou seja, sua Caixa de Contra-Medidas Eletrônicas (ECM), emitia sinais contínuos para confundir o radar ou qualquer outro tipo de sensoriamento.

A apresentação oficial do avião ocorreu na Itália em maio de 1985 e o primeiro protótipo do AMX construído no Brasil – o quarto do programa –, fez seu rollout e primeiro voo oficial em outubro daquele ano. Em 1988 o primeiro AMX de fabricação seriada voou na Itália e a primeira entrega à FAB ocorreu em outubro de 1989, que adquiriu um total de 54 aeronaves, em três lotes de encomendas.

​​

Ficha Técnica

  • Nome do Produto:AMX
  • Código da Embraer: 
  • Nicho de Mercado:Mercado de Defesa
  • Início de Projeto:1980
  • Lançamento: 
  • Primeira Venda: 
  • 1º Voo:Protótipo brasileiro: 16/10/1985
  • Certificações: 
  • Rollout:Protótipo brasileiro: 22/10/1985
  • 1ª Entrega:FAB (Força Aérea Brasileira): 17/10/1989
  • 1º Cliente: 
  • Outros clientes:
  • Outras referências:
  • Evolução: 
  • Final de Produção: 

Três Vistas

AMX.gif

Especificações

DIMENSÕES
Comprimento 13.57 m 44.5 pés
Altura 4.43 m 14.56 pés
Envergadura 8.88 m 29.13 pés
PERFORMANCE
Velocidade Max. de Cruzeiro    
Alcance    
Distância de Decolagem ( peso max., mível do mar, ISA )    
Distancia de Pouso ( nível do mar, ISA )    
Grupo Motopropulsor Rolls Royce Spey MK 807 turbofan Rolls Royce Spey MK 807 turbofan
Capacidade de tanque de produtos (hooper)