Aeronaves

Histórico

No final dos anos 1960, a necessidade de modernização das técnicas agrícolas no Brasil e o combate às pragas, como a “ferrugem” dos cafezais, eram prioridades dos técnicos do Ministério da Agricultura. Apesar dos avanços nessa área, não existiam no mercado nacional muitas opções de aeronaves especializadas na pulverização de inseticidas e fertilizantes, pois era uma tecnologia solicitada apenas em situações de risco.

Ainda em 1969, o Ministério da Agricultura contatou o PAR (Departamento de Aeronaves do CTA), pois estava interessado no desenvolvimento de aeronaves agrícolas que substituíssem os modelos importados dos Estados Unidos. Já havia um avião agrícola projetado e produzido no Brasil, o SP-18 “Onça”, do IPT, mas não era adequado às necessidades daquele momento.

O CTA negociou com o Ministério da Agricultura, que aceitou financiá-lo, e os estudos para a nova aeronave tiveram início. Em pouco tempo já havia o anteprojeto, batizado de Ipanema, em homenagem à histórica Fazenda Ipanema, situada entre Iperó e Sorocaba (SP), que sediava então uma escola e centro de pesquisas de aviação agrícola, mantidos pelo Ministério da Agricultura.

A nova aeronave seria um monomotor de asa baixa, feitas em ligas de chapa de alumínio. O motor escolhido foi de 260 HP, e a hélice, fabricada pela Hartzell, apresentava alto rendimento. O reservatório de produtos para pulverização (hopper) seria instalado entre o piloto e o motor, comportando até 580 litros, como dois dos aviões agrícolas importados. Os pulverizadores seriam instalados nas asas, e a cabine totalmente pressurizada, com vedação para impedir intoxicação do piloto. Além disso, o avião seria totalmente desmontável, o que garantia que, após cada operação, pudesse ser feita uma limpeza geral, impedindo assim sua corrosão, sempre perigosa em um avião que opera com produtos químicos.

O avião deveria ser dotado de várias soluções aerodinâmicas, que garantissem a segurança em voos baixos, na altura da copa das plantações. Para permitir maior segurança, no caso de colisão com obstáculos como fios elétricos, foi colocada na frente do pára-brisas do piloto e das pernas-de-força dos trens-de-pouso, uma lâmina de aço capaz de cortar cabos e outros objetos.

Com a criação da Embraer em 1969, parte dos projetos do CTA foram transferidos para a empresa. Assim, a Embraer assumiu o desenvolvimento do Ipanema, que passou a ser chamado de EMB 200. O primeiro protótipo do Ipanema voou em 31 de julho de 1970. Era a segunda aeronave produzida pela Embraer, logo após o Urupema. Em março de 1971, a empresa Corsário de Aviação S.A. encomendou dez exemplares da aeronave. Em dezembro do mesmo ano o EMB 200 foi homologado. Em 11 de fevereiro de 1972 o primeiro Ipanema foi entregue, e fez suas aplicações em fazendas de café em Catanduva (SP).

Em 1973 o Ministério da Agricultura assinou um convênio com a Embraer para a realização de cursos de mecânica agrícola, que seriam realizados na Fazenda Ipanema. Na abertura do VII Curso de Aviação Agrícola e do I Curso de Mecânica Agrícola no dia 06 de agosto de 1973, o Ministério recebeu da Embraer cinco aviões EMB 200 para a formação de pilotos agrícolas. Era a primeira vez que cursos daquele tipo seriam ministrados com aviões nacionais.

Em 1973 o Conselho Monetário Nacional autorizou a inclusão dos serviços de aviação agrícola no Manual de Crédito Rural, de modo a ampliar sua utilização no País. Em 22 de novembro daquele ano, o Ipanema foi o 100º avião a ser entregue pela Embraer ao mercado brasileiro, para a empresa Serviços Agro-Aéreos do Sul Ltda. O sucesso do avião se deu também fora do país e representou grande parte das vendas da Embraer na década de 1970. A primeira exportação do Ipanema foi feita para o Ministério da Agricultura do Uruguai, em 1975, sendo também parte das primeiras exportações da empresa.

Apesar de bem aceito, o Ipanema passou por várias adequações para melhorar seu desempenho. Ainda em 1973 a Embraer desenvolveu e lançou uma nova versão da aeronave, o EMB 200A, com rodas maiores e hélices de velocidade constante (passo variável), sem alterações no motor e no hopper. Em setembro de 1974, a Embraer lançou o EMB 201, com maior potência no motor (300 HP), um reservatório com capacidade para 680 litros de produtos químicos agrícolas, além de um sistema de injeção para evitar perda de potência nas manobras bruscas à baixa altura.

Com a compra da Neiva pela Embraer, o Ipanema passou a ser produzido em Botucatu (SP), cidade sede da Neiva. Em 1984, 500 exemplares do Ipanema já tinham sido vendidos.

A partir da década de 1990, o projeto do Ipanema necessitava atender a novas demandas da agricultura brasileira. Assim, 1992 uma nova versão do Ipanema foi lançada, o EMB 202, com reservatório de 950 litros, e a opção de sistema de pulverização eletrostático. Esta opção trouxe uma tecnologia norte-americana, onde cada partícula liberada pelos bicos pulverizadores fica carregada eletricamente e, dessa maneira, é atraída pela planta. Isto permite cobertura completa pelo produto aplicado, o que traz grande economia.

Buscando novos espaços no mercado, em 2002 foi desenvolvida nova versão do EMB 202, equipada com motor de 320 HP, que passou a ser movido a etanol, combustível desenvolvido no Brasil e utilizado por boa parte da frota nacional de automóveis. A nova versão, certificada pelo CTA em outubro de 2004, foi batizada de EMB 202A.

O avião agrícola Ipanema movido a álcool ganhou em 2005 o prêmio Scientific American 50, sendo considerado pela respeitada revista como uma das 50 melhores invenções daquele ano em todo o mundo. Ainda em 2005, o Ipanema recebeu dois outros prêmios – o prestigiado Flight International Aerospace Industry Award, na categoria Aviação Geral, e o Melhores da Terra, do grupo Gerdau, conferido no Brasil.

Em 2003, a Embraer entregou o 900° Ipanema, que representava então aproximadamente 85% da frota nacional de aviões agrícolas. Em 2005 foi entregue o 1000° Ipanema, na versão EMB 202A. No dia 7 de abril de 2010, às vésperas de comemorar 40 anos do primeiro voo do Ipanema, a Embraer entregou o 1.100º exemplar do Ipanema à Foliar Aviação Agrícola Ltda., do Estado de Tocantins.É a única aeronave ainda fabricada desde a inauguração da empresa

Para mais informações acesse:

Aeroneiva

Versões

EMB 200 – equipado com motor Lycoming O-540-H2B5D, 260 HP, 2.700 RPM (nível do mar) e hélice de passo fixo. Hopper com capacidade para 580 l. Primeiro voo: 31 de julho de 1970.

EMB 200A – lançado em 1973, sofreu alterações apenas nas rodas, que ficaram maiores e nas hélices, que passaram a ser de velocidade constante (passo variável).

EMB 201 – lançado em 1974, possui um motor mais potente de 300 HP e hopper com capacidade para 680 l. Sistema de injeção para evitar perda de potência nas manobras bruscas à baixa altura.

EMB 201A – lançado em 1977, apresenta novo perfil de asas com sensível melhora no desempenho da aeronave.

EMB 201R – lançado em 1976, modelo especial criado para rebocar planadores, possui as mesmas características do EMB 201A, porém sem o hopper.

EMB 202 – lançado em 1992, com hopper de 950 l, e a opção de sistema de pulverização eletrostático.

EMB 202A – versão a etanol, equipado com motor Lycoming IO-540-K1J5, 320HP, 2.700RPM, 6 cilindros. Capacidade do hopper é igual a versão anterior.​​

Ficha Técnica

  • Nome do Produto:Ipanema
  • Código da Embraer:EMB 200
  • Nicho de Mercado:Agrícola
  • Início de Projeto:1969
  • Lançamento: 
  • Primeira Venda: 
  • 1º Voo:31/07/1970
  • Certificações:Em 15/12/1971 foi homologado pelo CTA
  • Rollout: 
  • 1ª Entrega:11/02/1972 - Empresa Corsário de Aviação S.A.
  • 1º Cliente: 
  • Outros clientes:
  • Outras referências:
  • Evolução: 
  • Final de Produção: 

Três Vistas

emb200_ipanema.jpg

Especificações

DIMENSÕES
Comprimento 7.43 m 24.38 pés
Altura 2.20 m 7.22 pés
Envergadura 11.20 m 36.75 pés
PERFORMANCE
Velocidade Max. de Cruzeiro 209 km/h 113 kt
Alcance 770 km 416 nm
Distância de Decolagem ( peso max., mível do mar, ISA ) 360 m (corrida no solo) 1.181 pés
Distancia de Pouso ( nível do mar, ISA ) 226 m (corrida no solo) 742 pés
Grupo Motopropulsor Lycoming O-540-H2B5D, 260 HP, 2.700 RPM Lycoming O-540-H2B5D,260 HP, 2.700 RPM
Capacidade de tanque de produtos (hooper) 580 litros / 550 kg 153 US Gal / 1213 lb