Recuperação de aeronaves

Histórico

O protótipo ERJ 140-801, de prefixo PT-ZJA, desempenhou um papel incomum ao de outros protótipos: foi utilizado para realizar os ensaios de voo de não somente um, mas dos três diferentes modelos de aeronaves da família de jatos regionais ERJ 145 da Embraer – o ERJ 145, o ERJ 135 e o ERJ 140. Para isso, a aeronave PT-ZJA precisou passar por uma série de transformações em sua estrutura, o que lhe conferiu uma história singular.

A família de jatos regionais ERJ 145 foi desenvolvida no início da década de 1990 para atender a uma demanda do mercado aeronáutico por jatos capazes de voar mais rápido e com menores custos. As aeronaves que a compõem foram projetadas para acomodar 37 passageiros (ERJ 135), 44 passageiros (ERJ 140) ou 50 passageiros (ERJ 145), e têm como principal característica o fato de utilizarem a mesma cabine de pilotos, fuselagem, motorização, asas, etc. Basicamente, a diferença entre elas diz respeito ao comprimento da cabine de passageiros, o que permite configurações com mais ou menos assentos.

O primeiro modelo a voar foi o ERJ 145 (50 passageiros), com 29,87 metros de comprimento. Com essa configuração, o protótipo PT-ZJA realizou seu primeiro voo em agosto de 1995, obtendo a primeira certificação no CTA (então Centro Técnico de Aeronáutica) em 1996.

Em seguida, a Embraer decidiu desenvolver versões encurtadas do ERJ 145, o que resultou no lançamento do ERJ 135 (37 passageiros), com comprimento de 26,33 metros. Desta maneira, o mesmo protótipo PT-ZJA, até então com características de um ERJ 145, teve sua configuração original alterada para o ERJ 135 (3,54m menor) e voou pela primeira vez em 4 de julho de 1998, obtendo as certificações para o ERJ 135 no CTA e na FAA (Federal Aviation Administration) em 1999.

Posteriormente, como resposta a necessidades variadas de seus clientes norte-americanos, a Embraer anunciou o desenvolvimento do ERJ 140 em setembro de 1999, que foi concebido para acomodar 44 passageiros. Novamente, o protótipo PT-ZJA entrou em operação, tendo sua estrutura alongada em 2,12 metros, passando a medir 28,45 metros, e voou pela primeira vez em 27 de junho de 2000.

Em 2006, quando a campanha de certificação e desenvolvimento da família ERJ 145 foi encerrada, o protótipo PT-ZJA perdeu sua utilidade operacional, pois já não havia mais desenvolvimentos tecnológicos a serem implementados. Desta maneira, foi decidido dar início a um processo de “aposentadoria” da aeronave ao final de 2009.

O processo de recuperação do PT-ZJA teve início na Unidade de Gavião Peixoto da Embraer, onde foram realizados alguns ajustes na estrutura e também a retirada dos motores. Posteriormente, a aeronave foi transportada em cinco caminhões para a Unidade Faria Lima, em São José dos Campos, a fim de que fosse repintada.

Durante o processo de recuperação, o interior da aeronave não foi alterado, visto que, por se tratar de um protótipo, não há acabamento interno. Foi também mantida a mesma configuração inicial de peças. Após a conclusão da recuperação, o PT-ZJA foi doado para o Musal (Museu Aeroespacial) localizado no Rio de Janeiro, onde se encontra atualmente.

Para as equipes que se envolveram nas diversas etapas de recuperação do PT-ZJA, poder contribuir para a preservação do patrimônio histórico da Embraer participando do processo de recuperação de uma aeronave de valor histórico tão singular, foi, sem dúvida, uma experiência muito gratificante.​​